Não nos esqueçamos das gerações presentes

Publicado: março 27, 2013 em Arquivo BFC!
Tags:, ,

“Temos que conservar o mundo para as próximas gerações!” Esse chavão é comum entre o ambientalismo de hoje, porém e nossas gerações atuais? Que mundo é dado a elas? 

Vamos (supostamente) lutar por um mundo melhor para pessoas que ainda não existem em detrimento das pessoas que já existem? E disso que trata o post de hoje.

Meio ambiente e Princípio da precaução

Não nos esqueçamos das gerações presentes

.

Autora: Daniela de Souza Onça /Ano 03 – Nº 12 – Fevereiro de 2009 

Todas as vezes em que um ambientalista é desafiado sobre a validade das previsões sobre as mudanças ambientais, eles tendem a adotar duas atitudes. A primeira é apelar para a existência de um consenso entre os mais importantes cientistas, políticos e organizações ambientais do mundo sobre a gravidade do problema.

Tal argumento, contudo, é facilmente devolvido pelo cético desafiador, que abordará os interesses velados das organizações, o limitado conhecimento científico dos políticos em questão e as inúmeras e persistentes incertezas que transparecem até mesmo nos trabalhos dos cientistas favoráveis à causa. 

O ambientalista desafiado, então, lançará mão de um segundo argumento: oç princípio da precauão, segundo o qual se deve evitar tomar qualquer atitude que possa trazer graves conseqüências. 

No caso da queima de combustíveis fósseis, acredita-se, existe o risco de que os gases produzidos possam elevar as temperaturas do planeta; assim sendo, mesmo na ausência de provas conclusivas desta hipótese, deve-se evitar o emprego deste tipo de combustível e estimular o uso de fontes renováveis de energia, que não adicionam dióxido de carbono à atmosfera. 

.O princípio da precaução, para a alegria do ambientalista, é um argumento de refutação muito menos simples do que o primeiro, pois envolve os medos mais íntimos do ser humano: a morte, o futuro, a mudança. O princípio da precaução é, dessa forma, um argumento fadado ao sucesso

Em princípio, é claro, não há nada de errado na tentativa de prevenir riscos à saúde humana e ao meio ambiente. O que há de nefasto no princípio da precaução é a maneira como é interpretado pelo movimento ambientalista na atualidade, numa fórmula brilhantemente explicitada por Paul Driessen no documentário The great global warming swindle: “O princípio da precaução é sempre usado num único sentido. Ele aborda os riscos do uso de uma determinada tecnologia, mas nunca os riscos de não se usá-la”.

Em localidades muito distantes do conforto do ocidente, as pessoas não tem outra alternativa além da madeira e do esterco para obtenção de energia. Os impactos econômicos, de saúde e ambientais da queima desses combustíveis renováveis são imensos. As meninas e as mulheres passam horas todos os dias no penoso trabalho de cortar lenha ou de se embrenhar em fezes e urina de animais para coletar, secar e estocar o esterco para uso como combustível para cozimento, aquecimento ou iluminação, ao invés de freqüentar a escola ou desenvolver alguma atividade mais satisfatória, produtiva ou rentável. A fumaça produzida no interior das casas pela queima dessa biomassa renovável, e que constitui uma das mais mortais formas de poluição atmosférica, parece não representar grande perigo para os ambientalistas.

A Organização Mundial da Saúde afirma que cerca de um bilhão de pessoas, principalmente mulheres e crianças, estão expostas a severa poluição de ambientes internos e liga este fator a cerca de quatro milhões de mortes de crianças todos os anos no mundo, principalmente de doenças respiratórias. A queima desses combustíveis renováveis também contribui para asma e câncer de pulmão entre as mulheres – claro, em mulheres com “sorte” suficiente para viver o bastante para desenvolver um câncer.

Evocando o princípio da precaução, o ambientalista está, com ou sem consciência disso, ajudando a manter centenas de milhões de pessoas em todo o mundo em condições subumanas, tudo em nome de uma causa maior, de um pretenso interesse de toda a humanidade, a saber, preservar a saúde do planeta para as gerações futuras.

Bem, se os ambientalistas (em geral, bem-sucedidos cidadãos das nações desenvolvidas e seus simpatizantes) acreditam que qualidade de vida é sinônimo de maior contato com a natureza (leia-se renúncia às benesses do desenvolvimento tecnológico), deixemos que sigam em frente e vão viver em regiões afastadas do legado de centenas de anos de desenvolvimento técnico-científico.

Certamente terão no mínimo dez anos a menos de expectativa de vida, verão boa parte de seus filhos morrerem ainda na infância e desfrutarão de pouco conforto material. O que não se pode permitir é que esse ideal seja apregoado como o interesse maior da humanidade, especialmente porque grande parte dela ainda hoje vive, em maior ou menor grau, nesse “estado de natureza” tão admirado pelo movimento ambientalista. E eles não gostam. E eles estão cansados.

Fica então a pergunta: será lícito que, para (supostamente) preservar o planeta para as gerações futuras, devamos sacrificar as gerações presentes?

Fonte: Terrorismo Climático.

Daniela de Souza Onça: Doutora em Geografia Física, Departamento de Geografia – USP. 

PS: Daniela de Souza Onça, recebeu o Título de Doutora em Geografia Física pelo Departamento de Geografia da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo – USP, em 2011, defendendo a tese: “Quando o sol brilha, eles fogem para a sombra…”: a ideologia do aquecimento global. Esta tese pode ser baixada em arquivo PDF no site fakeclimate

Anúncios

Exercite seu ceticismo

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s